quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Amanhã

Por tudo que já foi dito, maldito
escuto o vento.
Por todas as sombras que escureceram
o olhar dos homens,
eu fito o sol.
Ainda que caiam tenebrosas trovoadas
escuto o cantar dos pássaros.
Por todas escrituras sagradas ou amaldiçoadas...
leio suas frases.
Esqueço a dor em meu peito, deito
sobre a relva da manhã.
E amanhã
serei melhor, maior

Esqueço os espessos traços de angústia
de "vereda" saio por Holandas, Iolandas ou Madagáscar.
Sou tudo isso e mais um pouco,
louco, amanhã serei outro.
Talvez mais solto, tenso ou cativo.
Mas vivo.
Ainda que as manchas solares despreguem-se
e explodam.
Eu inspiro o ar do deserto,
decerto estarei a cantar..

3 comentários:

Soraia Yumi disse...

Tirando do lodo, o melhor!
Adorei o texto, e o comentário no meu blog foi bem a calhar.

Um excelente final de semana pra você ;)

Bjão!

Sonhadora disse...

Lindo Ricardo e tambem muito forte
gostei muito desse poema.

Bjs

Cynthia Lopes disse...

de certo estarás a cantar! (posso até te ver),
bjs