sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Enquanto

Sei que o dia ainda dorme
enquanto colho tuas palavras
jogadas num repente
enquanto olhavas o presente
indagando ao futuro.
Sei que ainda dormes
me detenho numa insana intenção
de entender tu'alma indômita.
Dentre sonhos
beleza
e tristeza.
Recolho tuas impressões
mágoas, frustrações
e esperança.
Luz e tempestade
terremotos
dor
prostração e reerguimento.
Presença no meu dia
enquanto ainda dormes
na minha obra
em meu trabalho
entre nenhum sim
e vários nãos.
Presbiopia
é teu corpo
absorto
faz teu parto
em minhas mãos.

2 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido´Ricardo.
Não tenho palavras para descrever o que este poema me disse...

Beijinhos
Sonhadora

Cynthia Lopes disse...

Ricardo, belíssima construção. Muito sensível e original, gostei muito desse poema seu.
bjs