sexta-feira, 26 de março de 2010

Um dia.

Definitiva célula de tempo
duradoura para alguns
instantânea e visceral para
a maioria.
Tempo que enquanto mede o universo
delimita as vidas
cria e ao mesmo "tempo" destrói
expectativas, sonhos se transformando
numa longa espera.
Direção, incógnita infinita
Destino, lugar um espaço.
Um dia, algum dia, algum lugar,
onde não haverá noite
não se sentirá frio
nem fome ou dor.
Apenas...um dia.

2 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido Ricardo

Lindo poema...procuramos o que de certeza não existe.

Um dia, algum dia, algum lugar,
onde não haverá noite
não se sentirá frio
nem fome ou dor.
Apenas...um dia.

Adorei...queria um lugar assim.

Beijinhos com muito carinho.

Sonhadora

Kássia Reis disse...

Olá,Ricardo.
Gostei muito do seu espaço e de seus poemas! Abraços!!