quarta-feira, 3 de março de 2010

Gavetas.

Quem não as tem?
Gosto de remexer
nas gavetas...sempre encontro
o que não estou procurando.
Mas às vezes é preciso...não
na verdade é estranho.
Minhas gavetas guardam o invisível,
surpresas desagradáveis
e cheiros indescritíveis.
Abertas se parecem com um prédio condenado,
tudo o que se vê, não se sabe
de quem é.
Ocultam tristes lembranças
também diferenças abissais
entre ser e sentir.
Gavetas bagunçadas,
quem não as tem?
São o desconexo real da última
moeda de troco
são o documento extraviado
e sem valor
são aquela carta comprometedora
que esquecemos de rasgar...ou não
são as agendas antigas
fotos mofadas
meias sem par
cortador de unhas enferrujado
a camisinha sem uso
o relógio estragado
canivete sem fio
um fio...sem pavio
um lenço de papel
(com um telefone)...e coragem para ligar?
São as lições de moral
pedaço de fio dental
uma página de jornal
e um monte de poeminhas
com rimas idiotas.

São o enigma da própria insistência
que insistimos
em não querer
decifrar.

2 comentários:

Cynthia Lopes disse...

Excelente descrição de nossas gavetas.
Muito bom.
Ah, mais uma coisa, está tudo bem?
bjs

Sonhadora disse...

Meu querido Ricardo
Realmente se formos ver bem o que se esconde nas nossas gavetas...encontramos tudo e nada.
Lindo.

Beijinhos com carinho
Rosa