quinta-feira, 19 de novembro de 2009

O tempo

A chuva choveu
o sol esqueceu
o vento soprou
o tempo virou
a lua brilhou
a nuvem cedeu
aos encantos
do mar

Queria ela aqui
molhando meu pé
enquanto a praia esquecida
e outra nuvem perdida
parasse aborrecida
se pusesse
a chorar.

E eu uma vez só
pudesse ficar
em silêncio
ouvindo o estalido
das gotas de lua
molhando a rua
e o teu
olhar.

8 comentários:

Cynthia Lopes disse...

Lindo Ricardo, para quem diz que não é romântico, vc está se saindo muito bem. Os versos curtos e cadenciados, a beleza das palavras e a sonoridade que vc conseguiu, é fantástico. Muito, mas muito bom mesmo.
bjins

Sonhadora disse...

Ricardo
Maravilhoso poema...muito tranquilo...gostei muito.
Beijos carinhosos
Sonhadora

Baby Lemonade disse...

Lembrou-me em "cheiro", um tal de Castro Alves em seus poemas melhores.Hahaha.


Belíssimo.Adorei muito.

Ricardo Kersting disse...

Oi Cynthia
Não sou "muito" romântico, mas às vezes resvalo no meu lado mais sensível...Muito obrigado pelas palavras e tua presença..
Beijos

Ricardo Kersting disse...

Oi Sonhadora
Que bom que gostaste e sabes que teus poemas também me passam tranquilidade!!! Não acreditas??
Beijos e carinhos também..

Ricardo Kersting disse...

Oi Baby Galega

Nossa!!! não cheguei nem perto desse tal Castro Alves rsrs..
"Fica só mais uma nuvem" lembras?
Não comentei esse poema, mas guardei dentro de mim...

Baby Lemonade disse...

Guarde bem,Ricardo.Porque eu logo me esqueço ou brigo com ele....Confio no teu "baú de prata".


Mas que a chuva inspira,ah...nuvens são pretextos.Eu disse isso a um homem que amei por três nuvens,apenas.

Abraço grande !
Scheiler

Ricardo Kersting disse...

Que legal Scheiler, então esse amor duraria um pouco mais ultimamente não é mesmo? Gostei muito dessas frases...
Abração.