sexta-feira, 13 de novembro de 2009

De passagem.


Uma janela, ponto de partida.
Um lugar perfeito
um projeto de vida.
A vitória é ambígua, nunca é absoluta.
Alguém sempre perde. Só vence quem
luta.
Nas bordas do inferno
não há miragens.
Os demônios são reais aos olhos despertos.
São espelhos dos corpos de alma desertos.
Não há portas, nem de entrada
ou de saída.
Mas nada invalida a ansia de fuga
mesmo que não haja para onde fugir
ou não se tenha a exata medida
do que fomos durante nossa vida
se criamos coisas boas
e do que fomos para outras pessoas
se passamos por meros coadjuvantes
ou se de alguma forma...brilhamos
nalgum retrato, lembranças menos
importantes,
até interessantes,
mas a verdade...talvez,
nunca saibamos.

4 comentários:

Sonhadora disse...

Ricardo
Lindo poema...ficar ou fugir.
Não se sabe sem experimentarmos uma das duas hipoteses...mas encarar é o melhor...quando há saída.
Beijos
Sonhadora

Cynthia Lopes disse...

Ricardo, adorei.
vc anda tão preciso nas palavras e nos versos, estão tiros certeiros. bjs

Ricardo Kersting disse...

Sonhadora

Sempre há saída, mesmo que depois não tenhamos para onde ir.. Digo isso pensando que às vezes fugir não é o melhor caminho, mas não invalida a atitude de quem tenta..
Beijos..

Ricardo Kersting disse...

Cynthia

Vindas de ti esas palavras são alentadoras...Só posso agradecer...
Beijos.