quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Enquanto.

Te conheci
enquanto via
na minha mão
a tênue linha da vida
sob a luz da criança-manhã.

Há muito tempo
enquanto ardia
em nós dois a paixão
numa febre enlouquecida
como poderoso titã.

Te conheci
enquanto havia
desejo, ardente canção
entre flores esquecidas
vozes silenciando envelhecidas
na penumbra triste
que restou...e
a solidão.

4 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido Ricardo
Lindo o teu poema...mas cheio de desilusão.Tudo começa a acaba.
Muitos beijos
Sonhadora

Ricardo Kersting disse...

É verdade Sonhadora, tudo tem começo, meio e fim. Às vezes a gente não entende direito onde uma parte começa e outra termina... Faz parte do jogo..
Beijos, muitos também.

Cynthia Lopes disse...

Te conheci, faz tempo...
e foi.
É bom reconhecer o que terminou e agradecer tudo o que se viveu. E é claro esta é a minha "modesta opinião", apenas. bjs

Ricardo Kersting disse...

E uma opinião que respeito muito minha querida..Mas na verdade não sei quando as coisas terminam..É bom não saber...
Bjs.