sexta-feira, 4 de setembro de 2009

A jovem poeta.

A jovem poeta
derrama sua dor
sobre um belo
e triste poema.

Cada lágrima
gera um verso
que se abre
para o universo
rasgando os limites
do tempo.

Galopando sobre o vento
até pousar
em seu destino.

A vida breve navega
tripulante das lágrimas
dum dia distante
que sua lembrança vigia
onde somente a poesia
tem o poder de chegar.

Dos olhos da poeta
brotam palavras
de sua dor.
Que nem mesmo
a distância,
o tempo, a realidade
nem a própria saudade
podem duvidar
de seu ardor.

Por quem a poeta chora?
Em lamentos
nos versos escondidos
o sofrimento resgata
o que sua poesia trata
de guardar
nos sonhos
perdidos.

A jovem poeta
derrama a sua dor
sobre versos
enternecidos.

5 comentários:

Adriana Karnal disse...

senti como é a jovem poeta, bela descrição

Margarida de Almeida Tavares disse...

Muito belo o poema!!!

Margarida de Almeida Tavares disse...

Escultor e poeta.........bem já sou sua seguidora!

Cynthia Lopes disse...

LINDO POEMA, LINDO!
bjs

Soraia Yumi disse...

Adorei :)

Cada lágrima, cada verso...

Bjão! Uma ótima semana