quarta-feira, 30 de junho de 2010

Horas vagas.

As horas são vagas
incertas, de espera.
São longas e raras.
Navegam ao vento,
desastrado, ora lento.
São horas marcadas,
são favas contadas,
enganos e encontros.
As horas são contas,
são contos,
de fadas
e monstros.
Hora esquecida
mal resolvida.
Materia e notícias
são horas propícias
para vagar desatento,
em busca do alento
nas vagas da vida.

2 comentários:

Sonhadora disse...

Meu querido Ricardo
Lindo teu poema, mas um pouco nostálgico.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Laís Kunhasky Spilere disse...

Mais uma vez um Lindo poema!

Bj!