quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Passagem.

Dedilhei os meus sonhos
e cada nota pulsava enganos.
Era a minha vida
em resposta ao silêncio.
Enquanto a melodia calada
em cada arfar indagava
o que foi feito do tempo
que eu não tinha a perder?
Se não perdi,
onde está?

4 comentários:

LiLi disse...

Talvez ninguém terá a resposta...

Sonhadora disse...

Meu querido

Que foi feito do tempo?
Diz-me...para eu me encontrar com ele.
Lindo como sempre.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Cynthia Lopes disse...

"O que foi feito, amigo, de tudo que a gente sonhou
o que foi feito da vida, o que foi feito do amor...", lembra desta música do Miltom? Pois é, eu me lembrei dela assim que acabei de ler o teu poema, só que ela é mais otimista, ela resgata o passado. Eu digo, nem tanto ao mar, nem tanto a terra... o tempo a gente não perde, ele só acrescenta ao presente. bjs e um feliz ano novo a cada novo dia!!!!

Pedro Sousa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.