quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Cantos.

Cresci ouvindo meu pai cantando pequenos versos de canções muito antigas, dessas que nem se sabe os autores. Naquela época eu as achava engraçadas, hoje tenho certeza de que sempre foram maravilhosas.

Alguns versos que me lembro.. A linguagem é original e provavelmente nunca foi escrita corretamente, pois se fosse não haveria rima.

"Eu fui no mato
prá cortá um paulinhero
prá vê sou ligero
cacei prá brigá
Por isso mesmo
que me chamo
Lelo Loro meto a faca
tiro o coro
e faço bota prá calçá".

"A minha sogra que era
muito valentina
engoliu um automóvel
e deixô fora a buzina
Veio o dotô
prá fazê a operação
abriu a barriga dela
encontrô um caminhão".

(Refrão)
"É só prá homi Lelé
é só prá homi Lalá
é só prá homi
que a mulé
pode escutá".

"Conheço um homi
que era claro muito claro
tinha um filho coisa rara
que é mais preto que carvão
E a mulé que é do mundo dos sabido
diz que a culpa é do marido
que apagou o lampião".

(Refrão)

"Chico paulino tem um filho
que é bem homi
quando se zanga não cômi
pega a faca e vai brigá
Chico paulino
que era muito valentão
apanhô dum alejado
e deu num cego a traição".

(Refrão)

(Muda a melodia).
"Uai uai tua mãe bejô meu pai
uai uai tua mãe bejô meu pai
Uê uê eu não sei o que fazê
ûê uê eu não sei o que fazê.
Uão uão tua mãe bejô o João
uão uão tua mãe bejô o João".
E assim por diante rimando com todos nomes possíveis
e é sempre a "tua mãe" que beija.

"Tico-tico da macega
gavião quiri quiri
meu amor que foi-se embora
eu também queria i".

(Verso final, muda novamente a melodia).
"Na bera do mar dá peixe
no fundo dá tubarão
nas onda do teu cabelo
navega meu coração".

5 comentários:

Soraia Yumi disse...

hahaha Adorei :P
Lá em casa não foi diferente,crescemos ouvindo músicas cantadas pelos nossos pais,mas eles tinham repertórios mto loucos,de Raul Seixas à Tonico e Tinoco.
Agente cresce e nunca mais esquece.
Boas lembranças essas...

Bjs

Cynthia Lopes disse...

Ricardo, que gostosa lembrança!
bjs

Helena Carvalho disse...

Gostei demais dos versos. Cheguei a dar boas risadas. Viu, quem mandou o marido apagar o lampião?

Efigênia Coutinho disse...

Jorge Kersting, sua postagem de "Cantos.", vem realmente encantar a vida vivida, que beleza de postagem, agradecida com sua visita ao meu espaço,
Efigenia Coutinho

LiLi disse...

Adorei!!
São coisas assim que não deixo apagar da memória! Insubstituíveis memórias e tempos que não voltam!